Dia da Mulher: ciclistas falam sobre pedal e mudança de vida

Ciclistas falam sobre pedal e mudança de vida (Foto: Reprodução)

No Dia Internacional da Mulher, lembrado nesta terça-feira 8 de março, ciclistas de cidades da região falam sobre a mudança de vida proporcionada pelo prazer de pedalar.

O Dia Internacional da Mulher foi oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975.

A data simboliza a luta histórica das mulheres para terem suas condições equiparadas às dos homens. Atualmente, desperta reflexões sobre igualdade, machismo e violência, entre outros temas importantes.

Confira abaixo o que algumas mulheres ciclistas falam sobre o pedal e transformação de vida:

Aninha Bueno, 45 anos

“Hoje, é uma data muito especial. Dois anos atrás, internei para tirar um nódulo. Graças a Deus deu tudo certo. Comecei no pedal em uma fase difícil, mas eu conversava, distraía. Para mim, foi uma superação, uma entrega. A bike é um refúgio de muitos.”

Aninha Bueno, de 45 anos, mora em São Carlos (Foto – Arquivo pessoal)

Alessandra Busatto, 41 anos

“Mental é a melhor delas. A sensação e os benefícios para o corpo e mente não tem preço. Quando você vê um lindo por ou nascer do sol, muda o seu dia. Paisagens lindas e encantadoras e alegria contagiante que ficamos. Gratidão define!”

A ciclista Alessandra Busatto pedala pelas trilhas da região (Foto: Arquivo pessoal)

Alexandra Carmelino, 51 anos

“O pedal ressignificou minha vida. Fiz novas amizades, conheci novos lugares, aprendi a me amar. Hoje sou mais feliz!”

Alexandra Carmelino, de 51 anos, pedala por várias regiões (Foto: Arquivo pessoal)

Beth Pilleggi, 50 e uns anos

“A bike me leva de volta a minha essência lúdica, pois todos temos a criança interior. Me curou de enfermidade crônica, me trouxe novos amigos. Pedalar me leva para a natureza, que é maior riqueza que temos no planeta.”

A ciclista de São Carlos Beth Pilleggi (Foto: Arquivo pessoal)

Danni Anzolin, 38 anos

“A bike mudou minha vida em tudo, principalmente em sair de uma depressão. Pedalar te faz ir além do que imagina: você tem força e, o principal, coragem para ir e enfrentar. Bike é vida.”

Danni Anzolin pedala pela região de São Pedro (Foto: Arquivo pessoal)

Fabi Oliveira, 41 anos

“O pedal sensibiliza para as coisas importantes da vida. O momento presente, a natureza, as pessoas e a certeza da recompensa pelo esforço despendido. Pura energia boa!”

Fabi Oliveira pratica speed e MTB (Foto: Arquivo pessoal)

Gisele Valerio, 38 anos

“Foi durante a pandemia que descobri o pedal e ganhei novos amigos. Pedalar alivia meu estresse, equilibra minhas emoções, me faz enxergar diferentes situações que podem transformar o meu dia. É muito legal a forma como voltamos para casa depois de um pedal, muito mais leve e feliz!”

A ciclista de Araraquara Gisele Valerio durante pedal pela região (Foto: Arquivo pessoal)

Jucélia Gonçalves, 42 anos

“O pedal trouxe qualidade de vida, mudou completamente o meu estilo de vida, com relação à alimentação atividade física, saúde mental, saúde emocional, gratidão, círculo de amizades, autoestima, superação, motivação. Faz bem para o corpo, mente, espírito.”

Jucélia Gonçalves pedala pela região de Guariba (Foto: Arquivo pessoal)

Juliana Rodrigues, 42 anos

“Com a rotina pesada de uma mulher, o pedal me coloca em sintonia novamente com a paz, sensação de liberdade de espírito, o prazer da atividade física e da troca de bons momentos com as pessoas.”

Juliana Rodrigues, de 42 anos, ciclista de São Carlos (Foto: Arquivo pessoal)

Leila Santos, 44 anos

“Mais qualidade de vida, mais amigos, mais viagens, mais descobertas, mais auto estima, mais saúde!”

Leila Santos pedala por Porto Ferreira e região (Foto: Arquivo pessoal)

Monique Ricci, 37 anos

“Quando comecei a pedalar, senti as mudanças que a atividade física proporciona a qualquer pessoa que se dedica. A maiores mudanças, entretanto, foram internas. Acredito que me tornei um ser humano melhor. Melhor para mim principalmente e, consequentemente, melhor para os outros.”

Monique Ricci adora pedalar pela região (Foto: Arquivo pessoal)

Renata Ávila, 49 anos

“O pedal me trouxe muitas amizades novas, aprendi a compreender melhor a todos, apesar das nossas diferenças. Muita alegria e energia para a vida.”

A ciclista de São Carlos Renata Ávila, de 49 anos (Foto: Arquivo pessoal)

Roselaine Tavares, 40 anos

“A questão de conhecer a força que tenho e a capacidade de realizar inúmeros desafios mesmo sendo mulher me faz sentir forte.”

Roselaine Tavares, de 40 anos, é ciclista de Ibaté (Foto: Arquivo pessoal)

Silvana Ferri, 52 anos

“Pedalar me deu mais liberdade, mais amor à vida com a minha bike. Me tornei uma pessoa mais feliz!”

Ciclista de São Carlos Silvana Ferri, de 52 anos (Foto: Arquivo pessoal)

Talita Oliveira, 36 anos

“O pedal para mim é uma terapia. Essa conexão que a bike permite com a natureza, lugares e novas amizades faz um bem extremo para a mente coração e, de quebra, para o físico.”

Ciclista de São Carlos Talita Oliveira (Foto: Arquivo pessoal)

Vania Turi, 46 anos

“O pedal me trouxe, além dos benefícios do exercício físico, diversão e novas amizades. Além disso, o sentimento de superação quando enfrentamos os desafios que encontramos pelas trilhas. Um tempo para refletir sobre todos os assuntos que nós enfrentamos no dia a dia. Pedalar e liberdade!”

A ciclista de São Carlos Vania Turi (Foto: Arquivo pessoal)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: